quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

TRAJE A RIGOR

Embora também tenha sido usado no 356, o sobrenome Carrera, em alusão à vitória da Porsche na Carrera Pa-namericana de 1953, acabou ficando associado ao 911 desde o final de 1972, quando a marca lançou uma versão de peso aliviado e preparação mais envenenada do seu campeão de vendas, batizada de Carrera RS (de Rennsport, ou corrida, em alemão). Com ele, seriam antecipadas as modificações da segunda geração do 911, que incluiriam os parachoques mais envolventes, destinados a atender às normas norte-americanas, a partir da linha 74. Com pouco mais de 1000 unidades de rua produzidas, destinadas a homologar o carro no grupo 4 das provas de turismo, ele trazia também o aerofólio, apelidado de "rabo de pato", para segurar a traseira pesada, e a pintura de guerra, com a faixa lateral na mesma cor das rodas - detalhes que, junto com o boxer 2.7 de 210 cv líquidos, fazem deste modelo 1973, visto no Brazil Classics 2004, um dos 911 mais desejáveis da história.

6 comentários:

Arthur Jacon disse...

Talvez o mais belo dos carros.

Chico Rulez! disse...

Os dois são RS de verdade?

Luís Augusto disse...

Concordo, Arthur.
Chico, o branco e azul é; inclusive há comentários de que não mora mais no Brasil.
O verde já é da segunda geração (acho que é um modelo 74), que, segundo me parece, tinha motor mais manso e perdeu o RS do sobrenome com o lançamento do RSR naquele ano.

Gustavo disse...

Super desejáveis! Maravilhoso carro, e ainda com um pedigree desses...

Mauricio Morais disse...

Belíssimos.

Felipão disse...

Coisa linda... Verdadeiros puro sangue...