segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

AO VOLANTE - VI: SUZUKI VITARA/SIDEKICK 1994

Embora do-no de um território pouco ex-tenso, de uma popula-ção predo-minante-mente urba-na e de um exército que opera cheio de restrições desde a derrota na II Guerra, o Japão tem se destacado na produção de utilitários desde os longínquos anos 50, quando o Toyota Land Cruiser (o nosso Bandeirante) se tornou um dos primeiros produtos de exportação do país, digno de uma galeria de celebridades que começa com o americano Willys Jeep e passa pelo britânico Land Rover Defender e pelo russo Lada Niva. Difícil seria eleger o herdeiro do pioneiro da Toyota, já que o Land Cruiser atual abandonou a filosofia inicial para se render à ditadura dos SUVs que conquistaram os novos-ricos pelo mundo afora, muito mais preocupados em fazer bonito nas portas de restaurante ou nos estacionamentos de supermercado do que em enfrentar terrenos difíceis. Um candidato ao posto seria o Suzuki Vitara, que, embora ofereça algum conforto para os ocupantes, se manteve fiel à proposta de encarar qualquer parada no fora-de-estrada. Membro de uma simpática família, que inclui também o rústico Samurai e o pequeno Jimny, o Vitara surgiu em 1989, a partir de uma parceria com a GM americana, para substituir o Samurai nos EUA, onde foi chamado de Sidekick nas versões de três e cinco portas, o que ocasionou uma certa confusão com seus nomes no Brasil, já que ele foi trazido tam-bém por im-portadores independen-tes via Miami. Minha experiên-cia ao vo-lante de um 4x4 se resume a Hyundai Tucson e Ford Explorer - ambos no asfalto e com câmbio automático - de modo que me senti realmente apresentado ao mundo dos jipeiros ao assumir o comando do Sidekick 1994 das fotos pela primeira vez. Apesar dos bancos confortáveis e de ítens como ar condicionado, direção hidráulica e comandos elétricos de vidros, travas e retrovisores, ele não deixa o motorista se esquecer de que está em um autêntico trilheiro, graças ao funcionamento um tanto áspero do valente 1.6 16V de 96 cv líquidos que, para ser ligado, exige que a embreagem seja acionada; parabrisa quase plano e câmbio de engates um pouco duros, embora precisos, e um enorme pqp para o passageiro completam o ambiente. Troca de marchas em estilo esportivo? Nada feito; tentei por duas vezes e arranhei a segunda, sempre sob olhar severo do meu irmão Rodrigo, que comprou o Sidekick de um amigo na semana passada e se tornou o mais novo jipeiro e antigomobilista do Brasil. Para quem está acostumado com a estabilidade de carro antigo, o Suzuki até que vai bem no asfalto, embora sacoleje um pouco mais do que um Uno, por exemplo. A contrapartida vem na terra, onde ele mostra porque é impossível conciliar os reais atributos de um jipe com os de um automóvel comum, como tentam as SUVs. Embora tenha encarado apenas obstáculos leves sob meu comando, dá para imaginar do que o valente japonês é capaz em mãos mais experientes, já que ele passa uma sensação de indestrutibilidade próxima à de um tanque de guerra. O câmbio e a suspensão, rústicos de-mais para o uso urbano, se sentem à vontade quando exi-gidos em condições extremas, nas quais também está disponível a redução das marchas, comandada por alavanca independente; até o ar-condicionado tem sua função no off-road, de servir como freio-motor adicional onde não há aderência suficiente para usar os freios. Tais características justificam a tradição da Suzuki no terreno dos utilitários, iniciada em 1968, e provam o acerto na concepção do Vitara, sucesso de vendas em todo o mundo e cujo sucessor, também vendido aqui como Chevrolet Tracker, manteve as mesmas características, apesar do motor maior e da atualização de estilo. Pena que a geração atual, que começa a ser vendida esse ano no Brasil com o nome de Grand Vitara, parece ter se voltado para os tais consumidores das portas de restaurante e estacionamento de supermercado, jogando por terra o nome de um dos jipes mais queridos do Brasil.

9 comentários:

Rodrigo Dias Malta disse...

É meu querido irmão... Agora sim, mais do que testado, o nosso Vitara me surpreendeu num terreno realmente "off-road", principalmente, tratando-se do Sidekick cinco portas. Lembrando que o Vitara de três portas (cujo entre - eixos é mais curto, o que faz com que se tenha mais agilidade num terreno acidentado) com reconhecida versatilidade; fiquei surpreendido (empolgado também) quando coloquei meu "Zumbi" num terreno de voçorocas com respeitáveis aclives, declives em curvas de mais de 90º. Terrenos totalmente "off-road"; difíceis até de se ficar em pé tamanha quantidade de cascalho e inclinação segundo opinião de nosso irmão Claudão. Isso porque pude desfrutar do passeio acompanhado de meu irmão com sua esposa Nádia com total conforto, inclusive para os passageiros do banco traseiro.
Meus parabéns pelo Blog e obrigado pelo artigo! Você, sempre como um entusiasta das maravilhas automobilísticas, só tenho a admirar e agradecer por isso!

Luís Augusto disse...

Grande Digo! Fez uma jogada de mestre ao entrar para dois mundos fascinantes de uma só vez - o dos jipeiros e dos antigomobilistas! Prepare-se para nunca mais conseguir ficar longe dos seus brinquedos...

De Gennaro Motors disse...

sempre gostei de jipe ! procuro um para comprar.

amigo, veja no www.degennaromotors.blogspot.com um video que postei.

abração ! Gennaro

Germano disse...

dos modelos da Suzuki, o Vitara é o mais "playboy" pra Off-Road, o Samurai era mais indicado

Luís Augusto disse...

Fernando, já tinha visto o vídeo, muito bom.

Germano, existe uma história de que a comercialização do Samurai chegou a ser proibida nos EUA porque ele era apto e trilhas tão radicais que capotava muito; por isso a Suzuki criou o Vitara (sidekick, lá). Está correto?

guilherme gomes disse...

Luís, muito legal o post.
eu gosto muito dos carros anos 90. entre eles o Vitara. Andei em um há muito tempo, era o de três portas, o espaço traseiro era muito pequeno!

abraço,

Felipão disse...

Eu gosto muito do Vitara e a dirigibiladade é muito boa. Já tive oportunidade de guiar um também, assim como o Samurai. Aqui em Sampa tem muitos nas mãos de mulheres...

Arthur Jacon disse...

Luís,

Excelente esse seu teste, assim como o texto.

Continue a testar modelos antigos e passar suas impressões aos leitores.

Humildemente, sugiro que se dedique aos esportivos nacionais dos anos 80/90 (XR3, GTI, GSI, etc.). Parabéns pela iniciativa.

Luís Augusto disse...

Muito obrigado pelas palavras, Arthur. Minha idéia inicial era a de "testar" um carro por mês e fazer um artigo mais completo como esse, mas tive que interromper em dezembro e janeiro. Os modelos, no entanto, dependem da oportunidade, mas pode contar com uma surpresa inédita em um dos próximos "Ao volante"...