sexta-feira, 8 de agosto de 2008

EU ACHO QUE NÃO TERIA PEITO...

Que tal encarar velocidades de três dígitos com uma jóia de corrida avaliada em sete dígitos - em Euros - protegido apenas por um capacetezinho e tendo que ficar torcendo para a cambagem do eixo dianteiro não fechar ainda mais? Os europeus não pensam duas vezes quando o assunto é se divertir com seus clássicos e esgoelam os bichinhos nas pistas do Velho Mundo, muitas vezes até convidando pilotos profissionais para participar da brincadeira. Na foto, uma Bugatti Tipo 59 dos anos 30, descendente da Tipo 35, modelo que mais venceu corridas na história do automóvel.

Um comentário:

Julio Fachin disse...

Realmente parece que os europeus "se esquecem" dos valores destes bólidos quando os colocam na pista. Tive a oportunidade de assistir a uma corrida de clássicos no sul da França e realmente os pilotos/proprietários destas verdadeiras relíquias do automobilismo aceleram pra valer, parecendo não se importar com possíveis acidentes de percurso. Eu não também não teria peito, ou melhor, saldo bancário, pra bancar a brincadeira.