segunda-feira, 4 de outubro de 2010

PULGÃO


Nascida para produzir automóveis para a elite italiana do início do século XX, como o suntuoso Town Car que já apareceu por aqui, a Fiat descobriu sua vocação para produzir veículos pequenos e divertidos com o Balilla e a consolidou definitivamente com o 500 Topolino, de dois lugares, que se tornaria o ícone da marca no pós-guerra. Mas o crescimento da economia européia e o sucesso de modelos populares de quatro lugares, como Volkswagen, Renault 4CV e Citroën 2CV, apontavam a necessidade de um carro maior, de modo que, em 1955, surgiu das pranchetas do mago Dante Giacosa o 600, que se tornaria o primeiro Fiat a conquistar o mundo e cujo desenho serviria de inspiração para o imortal Nuova 500, de 1957, conhecido no Brasil como Pulga. Produzido sob licença na Espanha, Argentina e Iugoslávia e exportado para toda a Europa graças ao preço arrasador devido a processos de produção inovadores, ele seguia a tendência da época de motor e tração traseiros, e tinha algo do "sangue quente" dos esportivos do seu país, com o pequeno 0.6 de 22 cv bastante disposto a subir de giro. O charme na mecânica dos modelos produzidos na Itália entre 1955 e 1969 ficava por conta da carburação Weber. O modelo 1975 da foto, feito na Argentina, onde foi carinhosamente apelidado de Fitito, pertence ao Tohmé do blog minimundo e traz as rodas de liga leve aro 12, semelhantes às do modelo 600 Abarth que chegavam a extrair até 50 cv do pequeno motor e fizeram sucesso nas competições para categorias abaixo de 1 litro. Está à venda por precinho tentador...

4 comentários:

Tohmé disse...

Odeio......só tenho amigo pobre ou pão duro.....

Luis, valeu o post. A comissão a gente acerta depois...he,he

irapua.pereira disse...

Do alto de meus 1,94m e peso proporcional, diria que... teria que ser pelo menos UM "número" maior, hehehe.
Temo que me daria calos!
Irapuã

Gustavo disse...

Simpático o Fitito, mas muito acima das minhas possibilidades, mesmo em 10chequinhos.

roberto zullino disse...

A minha filha quer, mas ela só pode pagar 100 reáus por mês e olhe lá, cineasta principiante ganha pouco. Mas se ela um dia ganhar um Oscar o Tohmé poderá falar que foi ele que vendeu o carro para ela.