quarta-feira, 3 de março de 2010

SHELBY COBRA


Quem gosta da história do automobilismo sabe bem o esforço de Henry Ford II para dominar as pistas de corrida a partir dos anos 60 e dar jovialidade à marca fundada por seu avô, que vinha perdendo espaço para a Chevrolet no imaginário dos entusiastas americanos desde a introdução do motor V8 por esta última em 1955. Com recursos financeiros quase ilimitados, a Ford não poupou esforços para dominar as provas de Gran Turismo (com o GT40) e Formula 1 (um longo reinado iniciado com a Lotus-Ford em 1968 que só terminou com a era Turbo nos anos 80). Curiosamente, a marca não investiu em uma linhagem própria de carros-esporte, como a GM havia feito com o eterno Corvette, mas deu suporte técnico e até financeiro a iniciativas independetes que levassem sua mecânica, sendo os AC Cobra, construídos pelo piloto texano Carrol Shelby em parceria com a britânica AC Cars, os mais emblemáticos daquela era, cuja versão Mk III, com o gigantesco V8 427 (7.0 litros) derivado dos motores usados na Nascar, acabou se tornando um dos esportivos mais desejados e reproduzidos da história e, mesmo sem levar o oval azul na dianteira, agregou enorme valor para a Ford. O modelo da foto, roubada do Auto Entusiastas, foi flagrado no Canada Auto Show 2010 - quando um clássico tem espaço em um evento de carros modernos, é porque é realmente especial...

8 comentários:

Mauricio Morais disse...

Lí, numa dessas biografias, que a Ford colocou mais ou menos 20 mil dólares nas mãos de Shelby, isso no início dos anos 60, não sei quanto daria hoje. Shelby pegou um motorzão e o colocou num AC inglês. Aí nasceu a lenda, que também era chamado de "the wall", pois seu parabrisa era muito grande e causava problemas de aerodinâmica, num shape que já não é tão lisinho assim.
É o meu "bad car" preferido.

Francisco J.Pellegrino disse...

Esta tranqueira réplica está na minha pauta...uma hora destas eu vou perder a cabeça.

Germano disse...

particularmente prefiro o Daytona Coupe

mas o AC Cobra e o SUper Seven são meus roadsters favoritos

M disse...

Acho que quando o Carrol Shelby pensou em enfiar um motor SBF 289 c.i. no velho AC, não imaginou a mão de obra que teria ! O carro não fazia curvas, não freava e não parava no chão !
Só depois de modificar a arcaica suspensão dianteira e colocar na traseira todo o conjunto do Jaguar S, com o excelente diferencial Salisbury; é que o carro ficou "guiável", mas mantendo o conceito do carro-esporte inglês dos anos '50: Um espartano barulhento, sem vidros nas portas, sem maçanetas, sem forração e com uma ergonometria de aleijar-o-dono.
Talvez pela exentricidade e pela propaganda, acabou virando um ícone americano.

Carros Antigos disse...

Então os brasileiros são todos imitação dos primeiros modelos do Cobra, pois também não fazem curva, especialmente os com suspensão de Opala, Galaxie, Kombi e por aí vai. Mas os Glaspac era diferenciados, ou não? Vi um muito bonito em Lindóia à venda ano passado, por pudor não perguntei o preço.

Luís Augusto disse...

Nik, o valor de um legítico AC Cobra Mk III passa fácil dos cinco dígitos. Nunca estaria à venda nos encontros gordurosos que o Zullino adora, portanto o que vc vê é réplica com motor 302.
Os legítimos AC Cobra com small-block 289 têm visual menos agressivo do que o da foto.

M disse...

As réplicas da Gasplac tinham chassis próprio. Usavam a suspensão dianteira do Opala mas o enorme diferencial do Galaxie na traseira.
As réplica recentes que usam chassis de Gálaxie encurtado são verdadeiras carroças. Caso de polícia !

Os Cobras "originais" eram praticamente iguais. Equipado com o motor 427, ganhava rodas e consequentemente paralamas mais largos, e um bico com abertura maior, para melhorar o "refrescamento" da usina.

roberto zullino disse...

São dois Cobras na realidade. Conforme o M falou deu um enorme trabalho colocar o 289 no chassis do AC. Os Cobra 289 usam feixe de molas semielípticas transversais, igual ao AC. O carro era ruim de curva e de mais algumas coisas. Hoje em dia vale pela raridade, mas não tem bom desempenho dinâmico
O Cobra 427 é totalmente diferente, já usa molas espirais na frente e na traseira, é outro carro não só em potência, mas também em handling.