quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

LITERATURA - IV

Creio que, até aqui, não houve muita polêmica sobre os livros comentados (os excelentes Dodge e Simca e o sofrível Almanaque do Fusca), mas hoje a história deve ser diferente. Dependendo do ponto de vista, a obra do colecionador Fábio Steinbruch pode ser um mero pretexto para exibir as peças da sua coleção escoltadas por um texto raso e pouco inspirado, mais adequado a um blog de automóveis antigos como este do que a um livro de 400 páginas. Mas pode ser também um raro testemunho de quem já teve oportunidade de restaurar, dirigir e possuir tantos carros, muitos deles raríssimos e até exemplares únicos como o FNM Fúria GT. Prefiro ficar com a visão mais otimista, até porque a obra tem alguns pontos altos, especialmente o capítulo sobre a Fiat (e o capítulo introdutório, falando da história da paixão do Autor pelos automóveis desde criança, é uma bela crônica), além de material fotográfico de primeira. Na Editora Alaúde, por R$ 90,00.

14 comentários:

GP Oficina Mecânica disse...

Não sei se compraria... talvez se fosse a uma livraria e me deparasse com ele, folear, gostar das fotos quem sabe.

Mas não dessa forma...

Carlos Eduardo Szépkúthy

Guilherme da Costa Gomes disse...

Não opino. Não me aguçou. Não comprei.

Tohmé disse...

Comprei e não gostei.

As outras obras da editora são mais legais, principalmente a do Galaxie

Pé de Chumbo disse...

E caro, também...
Acho que existem livros de medicina mais baratos...

Luís Augusto disse...

Tohmé, ainda não estive do a do Galaxie. Se vc recomenda, vou comprar!

roberto zullino disse...

Todos os livros desse tipo são cheios de erros e mentiras, inclusive os estrangeiros, só servem para enfeitar a estante.
Há algumas exceções como o livro do Ludvigsen sobre a Porsche, Excellence was Expected e mesmo assim também contem um pecadilhos, o resto é resto.

Mauricio Morais disse...

Luís ainda não comprei e nem o lí, poer isso vou comentar pela minha ótica, ou seja, pela ótica do designer.
Como você, disse ele apresenta fotos muito bem produzidas, em tamanho grande e em boa quantidade. É um livro bonito de se ver, gastei um tempinho outro dia na livraria folheando a obra.

Para mim que preciso de referências em meu trabalho de ilustrador é um livro indispensável.

Luís Augusto disse...

Maurício, sumido, as fotos, salvo engano, são do Cláudio Larangeira, uma referência nacional.

Mario de Oliveira Soares disse...

Acho que existem livros de medicina mais baratos...

Vá ler sobre medicina então!

Não tem jeito. Nada presta na boca de quem não presta.Provérbio mais uma vez confirmado!

roberto zullino disse...

Melhor que ler esses livros de fatos mal explicados e dados muitas vezes errados é melhor ler caras como Dennis Jenkinson, gente que viveu a coisa.
Estou colocando no meu blog o relato de Jenks da Mille Miglia de 1955 quando ele ganhou com o Moss.
Outro digno de menção é o Doug Nye, herdeiro dos arquivos do Jenks e também um excelente jornalista e escritor. Ele que escolhe os carros para Goodwood e anda sem a menor cerimônia com uma réplica de Jaguar tipo C de corrida com número pintado e tudo.
http://rzullino.blogspot.com/

Carros Antigos disse...

Zullino, há bons livros por aí em boa quantidade sim. Os melhores geralmente são os mais despretensiosos, começam com uma idéia simples e desenvolvem o rico ponto de vista do autor. O que não é o caso deste livro que o querido Luís comenta.
Inclusive, ouso discordar do amigo de que a introdução seja boa crônica; é um traste de falsa modéstia que não consegue disfarçar a pretensão do autor, que, me parece, era escrever a Larousse dos automóveis brasileiros. Mais desafinado impossível, o autor não rima nem com a curiosa e inexplicável parceria com Bob Sharp, que eu não sei honestamente o que fez para merecer estar espremido entre os péssimos capítulos do livro. Que eu comprei e li inteiro. E está aqui equilibrando uma mesa de dois pés curtos e mando para quem quiser, desde que me pague o correio. Mas adianto, Sedex é caro demais para tanto papel desperdiçado, que seja remessa comum mesmo.
Não comprem, é um desperdício de celulose.

Luís Augusto disse...

Nik, vc não estaria se referindo ao Memórias sobre rodas?

Alisson Paese disse...

Olha esse Memórias sobre Rodas eu comprei, mais pelas belas fotos do que qualquer outra coisa. O texto é fraco e as informações e dados técnicos muitos estão incorretos.Sou louco pelas linha de utilitários Willys, tenho um blog sobre eles e qual não foi minha surpresa ao perceber que faltou as fotos do CJ-5 e CJ-6 que eram da época do qual trata o livro, em vez disso o autor colocou fotos de Jipes de épocas anteriores, um erro absurdo, fora as especificações sobre os motores Willys,com muitos erros demonstrando ou preguiça para pesquisar ou desconhecimento.

Luís Augusto disse...

Alisson, realmente o Memória é mais fraquinho, mas esse aí até que não achei tão ruim como dito pelo amigos.
Bem-vindo e volte sempre.