sexta-feira, 15 de julho de 2011

PROJETO DE VANGUARDA

Os anos 80 costumam ser lembrados como um dos períodos mais difíceis da indústria automobilística brasileira, culpa da fragilidade econômica gerada pela gastança desenfreada do governo militar na década anterior. Mas, foi em pleno período de retração que surgiu um dos projetos genuinamente brasileiros mais interessantes da história, o Pag 828 da foto acima, mais conhecido como Mini-Dacon. A Dacon era a famosa concessionária VW de São Paulo, de propriedade de Paulo Goulart, que criou a empresa Projets d'Avant Garde (ou Pag, sigla que também se referia às iniciais do seu proprietário) para viabilizar seus sonhos sobre rodas. Com a idéia de criar um subcompacto de luxo, ele se uniu ao carrozziere Anísio Campos e, em 1982, o 828 ganhava as ruas equipado com o VW 1600 a ar e dotado de acabamento muito superior ao dos VW de então. Uma curiosidade no desenho - que, segundo dizem, foi inspirado nas linhas do Porsche 928 - era o recorte na região inferior da porta próximo ao batente, para evitar que ela esbarrasse nos meio-fios; as linhas clássicas e atemporais são de uma harmonia surpreendente para quem já teve o prazer de contemplar o raro subcompacto de perto. O desempenho e estabilidade eram dignos de um esportivo, mas apenas 48 unidades foram produzidas por causa dos altos custos de produção de peças exclusivas da carroceria. Alguns anos depois, a Pag tentou repetir o conceito no Nick, de maior êxito comercial, mas a harmonia do Mini-Dacon esteve longe de ser reeditada em seu sucessor.

18 comentários:

Corsário Viajante disse...

"...Culpa da fragilidade econômica gerada pela gastança desenfreada do governo militar na década anterior."
Alguém viu alguma relação com o que vivemos hoje?...
Sobre o carro, já vi alguns de perto, ocasionalmente em SP vejo alguns Nicks, é muito legal!
Uma empresa carioca chamada Óbvio ensaboou mais de dez anos uma reedição deste carro, mas até agora nada. Já disseram que teria motor de kombi, depois da Tritec, depois elétrico, agora que vão exportar...
Valeria um post sobre isso, não?
Abraços!

Luís Augusto disse...

Essa história da Óbvio! ficou mal contada mesmo. Parece que faltou quem bancasse a idéia.

Corsário Viajante disse...

Pois a mim deu a impressão contrária, vá em obvio.ind.br e clique em apoios...
Governo Federal, do RJ, do ministério, etc etc..
A impressão que passa é que é um logro, pois mesmo com tantos aportes e capitais, e tantas reformulações, o projeto simplesmente não sai, sendo que teria tudo para ser um sucesso.
Será apenas um artifício para captar dinheiro e sumir? Espero que não, pois o carro é bonito!

M disse...

A vida do Obvio é estranha mesmo...
O primeiro motor seria um bi-cilindrico turbo, que foi desenvolvido pela Porsche. Uma jóia que descobri na GIFA, no ano 2.000
Fiz contato com o fabricante e passei para o Anísio, que chegou a ir para Alemanha para acertar o fornecimento.
E não rolou...

Luís Augusto disse...

O que é GIFA?

Paulo Levi disse...

O carro é bonitinho, mas o tempo também passou para ele. Pena que não tenha sido produzido em maior volume na época, e com um motor menor e mais leve que o do Fusca. Um boxer bicilíndrico, como mencionou o M, teria sido o ideal. Nem precisava ser um motor desenvolvido pela Porsche: o do Gurgel BR800 (que veio alguns anos depois) já estaria de bom tamanho.

M disse...

Dotô,
GIFA - International Foundry Trade Fair, em Dusseldorf.
Esta feira é ducarai ! Passei 4 dias lá dentro. Saí com bolhas nos pés ! Ví como são feitos todos os blocos e cabeçotes dos Porsches, Ferraris e Maseratis. Foi também quando descobri que a carrocaria do AUDI é fundida ! (e vc pensando que era estampada, né ?)

Paulo,
O motor que "descobri" por lá não era boxer. Era um two-in-line, inteiro de alumínio, uma jóia !
Já desenvolvimento do motor do BR800 seguiu o caminho do "tudo errado", como tudo o que era feito por lá. Começou com um VW 1600 cortado(ficou uma merda), passou por um xerox do motor da BMW R90(melhorando) e terminou naquela maravilhosa poita-de-rio...

Paulo Levi disse...

Interessante, M... mas no caso de um carro como o Mini-Dacon, com seu entre eixos radicalmente curto e centro de gravidade alto, será que um boxer não seria a configuração mais indicada? É claro que não é possível reescrever a história, mas se o motor do Gurgel era uma josta, então poderia-se usar o do 2 CV, que teria sido a fonte de inspiração do falecido dono da empresa.

Joel Gayeski disse...

Acho bem interessante esse 928 espremido. Não precisaria de muitos retoques pra ser um carro interessante hoje.

regi nat rock disse...

Sei não Paulo, se foi a fonte de inspiração do Gurgel. O homi era teimoso feito uma mula e queria pq queria, ele mesmo fabricar o "seu" motor. O governo prometeu apoio, lançaram a pedra fundamental no Ceará e um rio de grana rolou pelo areião.. O Gurgel dizia que foi o governo que o F,,,u. Vai saber... Só de lembrar que ele estava na mão da GM, VW e Ford prum monte de peças, não é difícil entender o que aconteceu. Sem contar que o carro era uma melda só. Eu fui um dos acreditou no projeto e comprou uma cota. Quando recebi o carrinho, vendi com menos de 1.000 km e salvei o meu. Mau comparando é a mesma coisa com essa coisa aí.

Uma poita de rio. (donde que vc desenterrou essa M?

M disse...

Paulo,
Não necessariamente ! O motor alemão era leve e compacto, e com carter sêco poderia perfeitamente ser montado horizontalmente.

Regi,
Essa lorota de que o Gurgel "estava na mão dos grandes" já cansou !
Ele sempre foi, isto sim, um grande falastrão e refém da própria megalomania, além do que, suas "criações" nunca passaram de verdadeiras colchas de retalhos.
O melhor motor que o BR800 teve, foi feito por 2 engenheiros alemães que trabalharam na BMW e depois mudaram para Rio Claro, onde fabricavam motos tão perfeitas quanto as irmãs tedescas.

Ainda hoje é possivel montar um PAG 928. Tem um outro maluco na Av. Sabará que vende a carroceria completa, muito bem feita, por R$3.000 !

Francisco J.Pellegrino disse...

É josta...acho feio demais.

Migdonio disse...

Entre pagar 3 mil num carroceria dessa e 3 mil numa de 356 igual o Chico fez, é mil vezes melhor montar um 356!

Luís Augusto disse...

Sério? Só 3 mil numa carroceria de 356? Pronta para pintar?

M disse...

Sim, pronta prá receber uma mão de cal...

Mas aposto que montar o 928 sai + barato do que o 356, e se encher o saco, tem mais liquidez...

Migdonio disse...

É 828!!!
Chamar esse etzinho de 928 é sacanagem! O Dr. Porsche vai vir puxar teu pé de noite.

O M tá ganhando comissão do cara dá Sabará!

M disse...

Ôôô, Barriga-verde !
Num enche !
Vá ligar os fiozinhos naquele seu KG-TC !
Hahahahahahahhh...

Tohmé disse...

E agora o cara do 828 está vendendo a carroceria com chassis tubular...mas não faz a montagem.